top of page

Os gastos com tratamento da criança com autismo configura como pensão alimentícia?

Atualizado: 1 de jun. de 2020

Primeiramente devemos entender que o exercício do poder familiar impõe aos genitores, a manutenção do seu filho, estruturando-se, portanto uma obrigação alimentícia independentemente dos recursos do filho menor.

No momento de fixação da pensão alimentícia, entra em análise o Binômio:

NECESSIDADE X POSSIBILIDADE, em conformidade com o disposto no art. 1694, parágrafo 1º, do Código Civil.

Ou seja, a necessidade que o menor possui, com a possibilidade econômica do alimentante em custear essa pensão.

No cenário em que se tem uma criança com autismo, muda, pois na medida em que esta não ostenta as condições de saúde e desenvolvimento similar ao de crianças neurotípicas, naturalmente demandando maior e melhor dedicação para com seus cuidados, educação, alimentação, terapias, o que necessariamente demanda maiores investimentos de ambos os genitores.

Além disso, vale destacar que o percentual fixado para a pensão de alimentos não incidirá sobre valores correspondentes a abono de férias, parcelas indenizatórias trabalhistas, saldo ou multa relativa ao FGTS. No entanto, a rescisão do contrato de trabalho do alimentante não o exonerará das demais obrigações.

Serão divididas entre os pais do alimentando as despesas com medicamento, dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos, ortopédicos e TODO TRATAMENTO que o menor com autismo necessita realizar.

Porém, aqui pode existir uma flexibilidade, caso haja acordo entre os pais, pois ao invés de dividirem as despesas com terapias em 50% para cada, podem majorar o valor da pensão alimentícia, que é um valor a parte da divisão de despesas, efetuando assim um acordo que fique bom para ambos os lados.

Perceberam que a pensão alimentícia de uma criança com autismo leva em consideração todo o seu tratamento?!

Pois ela não se refere apenas a obrigação dos pais em ajudar na alimentação do menor, mas principalmente na divisão das despesas em 50% para cada um dos responsáveis, não implicando a possibilidade de se estabelecer um acordo, como mencionado mais acima.


Autora: Dra. Adrielly Moura

1.872 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

2 Comments


Gostaria de saber a resposta de vcs, tenho um caso parecido

Like

Oi, estava lendo os artigos do blog e fiquei com algumas dúvidas. Minha filha sempre teve problemas com ansiedade, depressão e automutilação desde os 12 anos. Com 15, ela foi diagnosticada com transtorno de personalidade borderline. E aos 18 recebeu diagnóstico de autismo leve. Ela tem um nível intelectual muito alto, mas a capacidade de compreender coisas básicas do dia a dia o manter rotinas e hábitos se tornam quase impossíveis. Ela faz acompanhamento com psiquiatra e psicoterapeuta, além do uso de medicamento controlados. Atualmente ela faz faculdade, mas já está na segunda, sem ter terminado a primeira. A minha dúvida é, o pai dela pode pedir a suspensão da pensão alimentícia com todo esse quadro de saúde mental? Hoje…

Like
bottom of page